terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Sinto muito...



Sempre fui o tipo de pessoa "bicho-do-mato". Excessivamente tímida quando criança e adolescente, ainda tímida nos verdes anos e, atualmente, adulta, moderadamente tímida. Mas o interessante é que antes, apesar de mais encabulada, procurava manter contato assíduo com as pessoas. Entretanto, de alguns anos pra cá, me tornei uma pessoa menos tímida, porém, muito mais introvertida. A mudança, talvez, não tenha sido boa, pois como consequência, acabei me afastando de várias pessoas queridas, pois não tenho mais saco para longos ou curtos papos ao telefone (a não ser com uma pessoa) e não tenho mais vontade de ficar saindo por aí. Já fui baladeira, muito baladeira, mas hoje, sou a mais caseira das caseiras, quase uma reclusa, por opção e desejo. O que percebi hoje é que estou magoando, sem querer ou perceber, pessoas que me são caras, caríssimas, importantes mesmo. Meu silêncio, o excessivo "ficar na minha" está passando um mensagem errada para algumas pessoas. E isso me deixou pensativa. Eu posso enumerar vários fatores que me levaram a adotar este comportamento. Porém, nunca me dei ao trabalho de explaná-los para meus amigos, novos e antigos. São coisas tão pessoais que as guardo comigo mesma. Mas penso que deve ser a hora, não de ficar falando do meu foro íntimo, mas mudar alguma atitude minha, de tornar-me mais receptiva, mais aberta, procurar e aceitar que me procurem, dar o feedback. Certamente este será o tema da minha reflexão de fim de ano. Vamos ver se em 2008 eu reverto esta situação, revendo meu comportamento. Não quero entristecer as pessoas que gostam de mim, porque mesmo que elas não saibam, eu as "amo calada, como quem ouve uma sinfonia de silêncio e de luz"... como cantava Lulu Santos...


4 comentários:

Patrícia Gomes disse...

Interessante vc tocar e se abrir com esse assunto, Nina...
Me vi muito nele, não pela timidez, mas porque eu sempre falei excessivamente demais, sai demais, e rua era o meu lar, mas de uns 8 anos pra cá tudo foi mudando, lentamente, mas gradual. Nos últimos dois piorei muito por conta da síndrome do pânico, e hoje já nem sei o quanto posso me dizer curada do pãnico ou o quanto eu o trouxe ainda mais pra esse meu mundo. Mas ando cada dia mais arredia, mesmo querendo falar e ser ouvida, ainda há algo em mim que teima em me frear.
Mas sabe, acho que eu gostaria de poder falar mais com vc... ;oD

beijos e obrigada por essa sua reflexão que se refletiu em mim me fazendo também repensar (tá ia sim usar refletir!!! rs)...

Nina Victor disse...

Pois é Paty... penso que o que está "pegando" é que antes, apesar de tímida eu interagia mais com as pessoas e era presença constante na vida de meus amigos. Com algumas mudanças na minha vida pessoal, tipo, trabalho, relacionamento, acabei meio que me isolando e agora por mais que até tenha chegado a conclusão de que esta minha atitude é errada, tá difícil de reverter... No fundo, eu gostaria que a comunicação telepática fosse possível, daí meus amigos saberiam que, embora não tão presente, não deixei de me importar com eles nem um pouquinho. Mas já decidi que esta será uma tarefa para o próximo ano, vou me trabalhar para melhorar isso.
Enquanto isso, vamos refletindo uma na outra, ;)
E mais, não desisti de receber você e o Simbi aqui no Rio! Vai ser muito divertido, tenho certeza!
Beijos! :)

Patrícia Gomes disse...

Pois é, eu também vou tentando modificar em mim oq ue vejo que posso e quero mudar...
E poxa, eu também não vejo a hora de poder ir te conhecer pessoalemtne, ams esse ano é mais um pra somar aos outros dois de provações, nada de emprego ainda, e isso tá me deixando quase louca, ainda mais pq não aguento mais ver minha mãe se matando pra dar conta quase que exclusivamente sozinha, entende??
Enfim, é outro ponto que me afasta ainda mais, mas estou lutando, não sem a aajuda do Simbi, pra não me deixar abater, não dessa vez...

beijos, Linda, e vamos que vamos, uma hora deixamos a condição de pupas e abriremos nossas asas, né.
beijos enormes!

Simbioze disse...

Humm, tenho algo a relatar sobre esse fato chamado " Onde está Nina ? " hehehe
Entendo perfeitamente o que se passa nessa cabecinha. Já fui e ainda sou ( menso um pouquinho) mas ainda sou quietão. Dou minhas sumidas básicas, mas tb não esqueço de meus amigos.
Agora vou ser curto e grosso Nina, tù sabe que vc mora no meu coração e não paga IPTU, energia, agua, taxa de iluminação pública. Por isso, te digo uma coisa que é fato.
Você pode mudar p outro planeta, se desintegrar, ir pra outra dimensão ( ouvindo Hooverphonic claro hehehehe )que nunca irei esquecer de vc.
Mas por outro lado, se vc sumir, como eu vou descobrir imagens bonitas? hein? hein? hein?
Por isso, a partir de agora, vou pedir aos meus santos p fazerem hora extra p te deixar novinha em folha, para que em 2008 vc possa vir com tudo.
Gosto muito de vc Nina, e não quero ver vc assim, tristinha, caladinha.
Se precisar, vou aí, me visto de palhaço, e faço vc ter dor de barriga de tanto rir.

beijão mais que estalado na buchecha.